terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

A triste partida

Hoje faz exatos dois meses que meu pai nos deixou, data que também completaria 51 anos. Para alguns, a luta, que durou quase oito meses, foi perdida. Mas longe do consenso geral, acredito na vitória clara do melhor dos guerreiros.

Nunca pensei que chegaria a tal situação, até pensei, mas depois de muitos e muitos anos, e  poderia cuidar dele sem tanta dor. Ainda é extramente difícil conviver com a tristeza, e ao mesmo tempo confortante pensar nas coisas boas deixadas por aqui.

A data da partida foi emblemática como ele, 10 horas do dia 11/12/13. O extraterrestre voltou para o seu mundo. E como um ser humano repleto de bondade, deixou um enorme legado em sua curta passagem.

Pensar nele é pensar em uma verdadeira filosofia a ser seguida. Uma filosofia que ficou órfã do seu maior guru. Recebi grandes ensinamentos, e prometi a mim segui-los com afinco e muita sabedoria.

Apesar da tristeza, ficam as boas recordações, as piadas, as brincadeiras, e até às duas vezes que ele fingiu que estava morto no hospital. Como brincalhão que era, não poderia deixar de fazer. Difícil foi reagir quando de fato aconteceu.

A corrente do mundo melhor perdeu um dos maiores colaboradores. Ele pode não ter resolvido o apartheid, porém, em pequenos atos, nos mostrou lições dignas do líder que sempre foi, no nível de outros gigantes mundo a fora.

Fica a missão e bons fluidos deixados por ele para todos nós que convivemos. Missão que deve continuar, sem dúvida é o que ele gostaria.  E aos seus órfãos, a admiração eterna por um dos melhores que passou por aqui.

Um comentário:

  1. Perfeita suas palavras Pedro querido
    "Fica a missão e bons fluidos deixados por ele para todos nós que convivemos. Missão que deve continuar, sem dúvida é o que ele gostaria. E aos seus órfãos, a admiração eterna por um dos melhores que passou por aqui."

    ResponderExcluir